Quarentena de João Doria prejudica prefeituras

O governador do estado de São Paulo, João Doria, prorrogou a quarentena no estado até o dia 10 de maio. Anteriormente, o término para o fim da quarentena era o dia 22 de abril.

Ocorre que a determinação do governador tem prejudicado a retomada do comércio em muitas cidades do interior do estado, algumas dessas cidades, com pouquíssimos casos da doença.

Um dos casos que podemos citar é o da cidade de Pirassununga que até o momento, felizmente, não registrou nenhum óbito por conta da doença, no entanto, segundo o prefeito da cidade, está impedido de reabrir o comércio por conta da decisão tomada pelo governador.

A situação relatada pelo prefeito aponta para um debate jurídico de extrema importância.

Oras, se o STF decidiu que governadores e prefeitos têm autonomia em relação ao governo federal para determinar quarentena e isolamento social,

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira, 15, por unanimidade, que Estados e municípios têm autonomia para regulamentar medidas de isolamento social. O caso foi apresentado pelo PDT após o governo baixar a Medida Provisória 926, que restringia a ação de governadores em tomar ações preventivas ao novo coronavírus.

Por que então as prefeituras são obrigadas a seguir os governadores? 

Ninguém melhor do que o prefeito da cidade e sua equipe para saber o melhor momento de reabrir o comércio e outras atividades que ele considerar aptas a abrirem. Não é o que está acontecendo em SP.

Em síntese, João Doria tem que entender que pau que bate em Chico, também bate em Francisco.

Leia também:

Governo Witzel pode ser alvo de CPI do Coronavírus. Só ele?

Quarentena suspende atendimento em hospital do câncer

A assembléia Legislativa do Estado de São Paulo precisa usar de suas prerrogativas para colocar o governador João Doria em seu devido lugar.

Por Jakson Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *