Quarentena suspende atendimento em hospital do câncer

A quarentena imposta em praticamente todos os estados da federação, tem prejudicado não apenas o simples trabalhador. Àqueles que necessitam de um hospital que é referência no tratamento de câncer, também serão prejudicados.

O hospital do amor, antigo hospital de Barretos, informou por meio de suas redes sociais que está suspendendo,temporariamente, suas atividades ambulatoriais e hospitalares.

Leia também:

Davi Alcolumbre impõe derrota ao governo

#ForaMaia é destaque no Twitter

 

View this post on Instagram

O @hospitaldeamor informa que, em atendimento à Medida Judicial proferida no Processo nº 0010546-44.2020.5.15.0011, da Vara do Trabalho de Barretos, que determinou o afastamento de diversos trabalhadores, suspenderá temporariamente suas atividades ambulatoriais e hospitalares, nas unidades adultas de Barretos (SP), em virtude do grande número de colaboradores a serem afastados. Informa também que para o pronto cumprimento da referida Medida Judicial, será necessário um aumento significativo dos custos operacionais, o que compromete ainda mais a precária situação financeira da instituição. Assim que readequarmos o dimensionamento da equipe de trabalho, voltaremos à normalidade dos atendimentos, para que não haja prejuízos na continuidade dos tratamentos dos nossos pacientes. #Comunicado #Informativo #Atenção #HospitaldeAmor

A post shared by Hospital de Amor (@hospitaldeamor) on

A suspensão anunciada pelo hospital visa atender a Medida Judicial proferida no Processo 0010546-44.2020.5.15.0011. 

Na referida decisão, tem-se o seguinte texto:

A gravidade da pandemia do CORONAVÍRUS – COVID 19, por se tratar de fato público e notório e amplamente divulgado por todos os meios de comunicação e que tem ensejado, inclusive, a adoção de medidas drásticas, severas e emergenciais do Poder Público, em todas as suas instâncias, dispensa a análise da necessidade de se assegurar, aos profissionais da saúde, as mais adequadas condições de desempenho de suas atribuições funcionais, com o intuito de se evitar o perecimento das pessoas contaminadas e que ensejem o amplo atendimento médico e hospitalar.

E ainda,

A situação de extremo risco de contágio pelo CORONAVÍRUS e dos efeitos maléficos e irreversíveis da doença, tornou plausível o pretenso afastamento laboral dos profissionais substituídos, que se enquadram no denominado “grupo de risco”, independente da manifesta necessidade de manutenção do quadro funcional de trabalhadores para o atendimento da população que busca os serviços ofertados pela fundação empregadora.

Decisão judicial não se discute, se cumpre. No entanto, devemos lembrar que milhares de pessoas estão agora sem este importante atendimento. Será que a imprensa irá noticiar as vitimas fatais acometidas tanto pelo câncer, quanto por esta questionável quarentena?

Por Jakson Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *