Agnaldo Timóteo tomou vacina: Coronavac é segura?

Agnaldo Timóteo tomou vacina: Coronavac é segura?

A imagem é licenciada sob por jardielc CC BY 2.0

Cantor e político Agnaldo Timóteo tomou vacina 2 dias antes de ser internado. A vacina funciona? 

Agnaldo Timóteo tomou a segunda dose da vacina coronavac 2 dias antes de ser internado com a covid-19. Mas, lamentavelmente veio a óbito na tarde deste sábado (3).

Conforme informa o instituto Butantan, mesmo depois de vacinado ainda é possível que ocorra a infecção. Todavia, em seu esclarecimento, o Instituto indica que,

algumas pessoas podem ainda ter a doença ou a infecção mesmo tendo sido vacinadas, mas poderão ter uma forma menos grave da doença em função desta vacinação“.

Oras, não foi o que aconteceu com Agnaldo Timóteo que tomou a vacina e mesmo assim não resistiu a doença. Ademais, há quem sustente que Timóteo foi infectado antes da vacinação. É provável que tenha sido assim? É. Mas por outro lado, Agnaldo Timóteo tomou a primeira dose da vacina no dia 15 de fevereiro e fora internado no dia 17 de março.

Leia também:

Pai de Paulo Gustavo pede orações pelo filho

Paulo Gustavo é ateu, mas peço que Deus o cure

5 mensagens para a Sexta-feira Santa

Assim, o artista não pode ter sido infectado antes da primeira dose, pois os sintomas surgiram muito tempo depois. Nesse sentido, questionamos: a primeira dose não tem nenhuma eficácia? A segunda dose não impede o avanço dos sintomas graves causados pela covid-19?

Com toda a certeza é triste a perca de mais uma vida. E prestamos nossas condolências aos familiares e amigos. Só que, precisamos questionar a eficácia das vacinas, em especial, da coronavac. Semelhantemente a Agnaldo Timóteo que tomou a vacina, quantas pessoas fizeram o mesmo e não resistiram ao vírus? Certamente que o Instituto Butantã, como produtor do imunizante, tem a obrigação de investigar esses casos.

Coronavac é segura?

Por outro lado, matéria da Revista Oeste, traz informações sobre estudos realizados no Chine a respeito da vacina coronavac. A saber,

Um estudo conduzido por pesquisadores chilenos e da Sinovac — laboratório chinês que produziu a CoronaVac, vacina aplicada também no Brasil — indica que as pessoas vacinadas com o imunizante desenvolveram anticorpos para a covid-19, mas em baixa quantidade.

Em resumo, de acordo com o biólogo Fernando Reinach,

Os cientistas mediram a presença de anticorpos neutralizantes, aqueles que são capazes de bloquear a entrada do vírus na célula humana. A CoronaVac também é capaz de gerar esses anticorpos tanto em jovens como em pessoas mais velhas, mas a quantidade gerada é muito baixa pois eles deixam de ser detectados se o soro for diluído mais do que 16 vezes”.

Ainda segundo o biólogo,

Os cientistas tentaram medir a resposta das células T em pessoas vacinadas, mas os resultados, apesar de positivos, não parecem ser suficientes para concluir que a CoronaVac produz uma resposta celular potente”.

Logo,

A conclusão é a de que os vacinados no Chile com a CoronaVac possuem os anticorpos necessários para combater o Sars-CoV-2, mas em baixa quantidade, o que está de acordo com a baixa eficácia da vacina (50%). Essa baixa quantidade de anticorpos também deixa em aberto a possibilidade de a CoronaVac ser menos eficaz, ou mesmo ineficaz, contra as novas variantes.”

De todo modo, Fernando Reinach pondera que a vacina é segura. Todavia, futuramente será substituída por outras vacinas com maior eficácia.

Com a palavra, o Instituto Butantã.

Por Jakson Miranda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *