As queimadas no pantanal se assemelham à Austrália

As queimadas no pantanal se assemelham à Austrália

As queimadas no pantanal em 2020 se assemelham às queimadas ocorridas na Austrália em 2019

Toda a imprensa e personalidades famosas, como Leonardo DiCaprio, têm falado sobre as queimadas no pantanal e na Amazônia. Todavia, não fazem isso por amor à natureza e se por ventura o fazem, são ingênuos.

São ingênios porque usados como porta-vozes de poderosos empresários e países. O agronegócio é um setor de intensa concorrência. Nesse contexto, o Brasil é um importante “player” nessa guerra. Em síntese, eis o principal motivo de quererem nos conter e até controlar.

Assim, feita a explanação acima, fica claro que as queimadas no pantanal é pretexto. Ou seja, não ameaça nossa biodiversidade ou revela descaso do governo.

Dito isto, há quase um ano escrevemos um texto no qual abordamos as queimadas ocorridas na Austrália. Na ocasião, lembramos dois importantes pontos que explicavam as queimadas naquele país. Ao menos um dos dois, se faz presente no Brasil em 2020 e explicam as queimadas.

Falo das queimadas controladas, ou, ausência dessas queimadas. É o que não foi feito na Austrália.

Sabedores das altas temperaturas no verão, as autoridades locais da Austrália, deveriam ter realizado queimadas controladas nos meses frios, de junho a agosto (inverno) ou no mais tardar de setembro a novembro (primavera). No entanto, devido a pressões dos ambientalistas, preocupados com a “biodiversidade” e que lá como cá, se aboletam em órgãos governamentais, muito pouco dessas necessárias queimadas foram feitas.

Ao que tudo indica, também não foi feito por aqui.

Em conversa com o deputado federal Eduardo Bolsonaro, o próprio ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, abordou esse ponto.

Em suma, é necessário expor esta verdadeira guerra comercial. Somente assim a questão ambiental no Brasil e no mundo será tratada de forma honesta. Nesse sentido, Hamilton Mourão tem sido um aliado de peso do ministro Ricardo Salles.

Por Jakson Miranda

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *