Bomba! OMS foi enganada sobre a hidroxicloroquina?

Os dados estava por trás de uma decisão da OMS e institutos de pesquisa em todo o mundo de suspender os ensaios do controverso medicamento hidroxicloroquina

Quando os primeiros casos da Covid-19 foram diagnostica aqui no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro defendeu o uso da Hidroxicloroquina como um medicamento eficaz no combate ao vírus. Não obstante, a OMS e nossa imprensa (sempre ela!), asseguravam que testes CIENTÍFICOS NÃO recomendavam o medicamento.

Assim, tanto Jair Bolsonaro como o presidente Donald Trump, eram retratados como líderes anti-ciência que ao defenderem o uso da cloroquina ou hidroxicloroquina, colocavam em risco a vida de milhares de pessoas.

Em nosso post #Enquete: Você tomaria a CLOROQUINA contra o CORONAVÍRUS? Também levantamos algumas outras questões, como por exemplo, o fato de médicos se auto-medicarem com a cloroquina mas não recomendarem a população.

OMS foi enganada sobre a cloroquina e tratamento da covid-19? 

Enfim, agora começam a chegar informações preocupantes para o mundo da ciência. De acordo com o jornal The Guardian, tanto a OMS como os governos que seguiram as recomendações da Organização, podem ter utilizado dados considerados no mínimo suspeitos.

Segundo o jornal britânico, a OMS e vários governos nacionais mudaram suas políticas e tratamento da Covid-19, com base em dados defeituosos de uma empresa de análise de saúde pouco conhecida nos Estados Unidos. A  Surgisphere. 

O jornal afirmar ter descoberto que a referida empresa tem em seu quadro de funcionários um escritor de ficção cientifica e um modelo pornô. E isso não é tudo!

Até o momento, a empresa Surgisphere não conseguiu explicar adequadamente seus dados ou metodologia. Ou seja, um estudo muito CI-EN-TI-FI-CO! 

Os dados que afirma ter obtido legitimamente de mais de mil hospitais em todo o mundo formaram a base de artigos científicos que levaram a mudanças nas políticas de tratamento do Covid-19 nos países da América Latina. Como também, estava por trás de uma decisão da OMS e institutos de pesquisa em todo o mundo de suspender os ensaios do controverso medicamento hidroxicloroquina”.

Portanto, o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina pode ter sido descartado com base em dados equivocados!

Nesse aspecto, o The Guardian é bastante didático.

OMS Descarta a Hidroxicloroquina com base em dados suspeitos…

Em 22 de maio, o Lancet (prestigiado jornal cientifico) publicou um estudo de grande sucesso, descobrindo que a hidroxicloroquina, promovida por Donald Trump , estava associada a uma maior taxa de mortalidade em pacientes Covid-19 e a problemas cardíacos aumentados.

Trump, para grande consternação da comunidade científica, divulgou publicamente a hidroxicloroquina como uma “droga maravilhosa”, apesar de não haver evidências de sua eficácia no tratamento do Covid-19.

O estudo da Lancet, afirmou ter analisado os dados do Surgisphere coletados de quase 15.000 pacientes com Covid-19, admitidos em 1.200 hospitais em todo o mundo, que receberam hidroxicloroquina isoladamente ou em combinação com antibióticos.

As descobertas negativas foram notícia global e levaram a OMS a interromper o braço da hidroxicloroquina em seus testes globais.

Mas apenas alguns dias depois, o Guardian Austrália revelou erros flagrantes nos dados australianos incluídos no estudo.

E agora, nossa imprensa irá apelar para os dados científicos da OMS?

Por Jakson Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *