Lei de Segurança Nacional da ditadura pode?

falta usar a Lei de Segurança Nacional da ditadura, para enquadrar os grupelhos do MST, MTST e quiçá, ministros que fazem alusão ao nazismo ao falar do governo. 

Não dá pra negar que esta semana começou bastante animada. Por um lado, tivemos a prisão da ativista Sara Winter. Presa preventivamente com base na Lei de Segurança Nacional. Por outro lado, também foi noticiado que com base na mesma Lei de Segurança Nacional, o jornalista Ricardo Noblat, será processado pelo governo. Então, podemos dizer que tá valendo a  Lei de Segurança Nacional da ditadura?

Bem, o objetivo deste artigo é mais uma vez, mostrar o quanto a esquerda é hipócrita e se vale de um duplo padrão moral.

Lei de segurança Nacional da ditadura pode

Assim, quando foi anunciada a prisão de Sara Winter, nenhum veiculo da grande imprensa e principalmente, nenhum veículo da extrema esquerda, lembrou de mencionar que Sara estava sendo presa com base na Lei de Segurança Nacional da ditadura.

Ou seja, para a turma, tudo corria conforme o script: “Sara Winter é uma ameaça aos ministros do Supremo“; “Líder do 300 do Brasil, Sara Winter liga o mundo empresarial ao neofascismo brasileiro” e por ai se seguem as asneiras ditas, todas com o objetivo de justificar e legitimar sua prisão.

Censura! Resquício mais fresco da ditadura! 

E aqui começa o duplo padrão da esquerda. Poucas horas após a prisão de Winter, soube-se que o governo irá processar o jornalista Ricardo Noblat. Essa foi a promessa feita publicamente pela SECOM. Pouco depois, o próprio ministro da Justiça determinou que a Policia Federal e a PGR abram inquérito para investigar o caso. Sim, nesse caso, de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro, deve-se usar a Lei de Segurança Nacional.

Não obstante, o discurso da grande mídia que no caso de Sara Winter era um, para tratar de Ricardo Noblat passa a ser o oposto. Leiam matéria da Folha.

A Lei de Segurança Nacional foi promulgada na ditadura militar, invocada no passado para perseguir políticos e incriminar ocupações de sem-terra. Apesar da origem em um regime de exceção, recentemente tem sido usada em investigações de ataques à democracia“.

Sim! A Folha teve a cara de pau de escrever isso.

Por outro lado, o decadente jornalista conta com a impunidade e posa de vitima. Segundo a Folha, Ricardo Noblat acredita que a lei não irá tolher seu direito à “liberdade de expressão“. E que tal lei é uma excrecência que não foi “removida com a redemocratização“.

Conforme abordamos no post comunista Ricardo Noblat será processado pelo governo, o decadente jornalista não pratica a profissão mas a usa para fazer militância e agredir de forma gratuita o Presidente da República.

Ademais, se a Lei de Segurança Nacional tivesse sido removida, Sara Winter não teria sido presa hoje. Ou será que a referida lei deve valer para uns e para outros, não?!

Finalizo

Mais uma vez, a esquerda utiliza do seu duplo padrão moral, aliás, trata-se de um antro de imorais. “Pau que bate em Chico, bate em Francisco“.  Sendo assim, falta usar a Lei de Segurança Nacional da ditadura, para enquadrar os grupelhos do MST, MTST e quiçá, ministros que fazem alusão ao nazismo ao falar do governo.

Por Jakson Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *