Lockdown em Araraquara não funciona e UTIs lotam

Quais os resultados do lockdown feito em Araraquara?

Imagem de Francisco Antunes é licenciada sob CC BY 2.0

Araraquara fez lockdown mas atualmente, ninguém discute seus resultados 

A cidade de Araraquara, do prefeito Edinho Silva (PT), ganhou o noticiário por ter decretado o lockdown. No mês de abril, comemorava-se que os casos de covid havia reduzido em 74% após a medida.

Por outro lado, o lockdown de Araraquara gerou consequências sociais e econômicas. Em nosso post Araraquara teve fila de duas mil pessoas para receber alimentos reportamos a noticia de doação de alimentos feito pela Ceagesp.

A distribuição de kits de alimentos, entre hortifruti e outros, começou às 12h. Mas teve gente que chegou a meia noite para não ficar sem alimentos.  Com o intuito de amenizar os efeitos do lockdown imposto na cidade, a doação dos alimentos destinou-se à população em vulnerabilidade social de Araraquara.

Ok. Se o lockdown pode salvar vidas, a economia a gente vê depois. Foi esse o mantra usado no início da pandemia.

Leia também:

Kátia Abreu abre mão da dignidade e presta vassalagem à China

CPI da Covid: Ernesto Araújo reafirma dizer a verdade sobre Kátia Abreu

Todavia, como estão os números de covid em Araraquara de abril até agora? Segundo a colunista Mônica Bergamo, a lotação de UTI, na cidade do prefeito petista, está no limite.

Na coluna intitulada Médicos e técnicos temem terceira onda ainda mais virulenta em SP, escreve Bergamo,

Outra informação que assusta é a da lotação em UTIs, já no limite em algumas regiões. Segundo projeções analisadas pelos médicos do comitê contra a Covid-19 do governo de SP, as UTIs de Barretos e Araraquara, por exemplo, podem lotar em seis dias.

Em resumo, Araraquara fez lockdown, porém, o decorrer do tempo está provando que seus resultados em nada ajudaram na lotação de UTIs. Em outras palavras, os resultados de Araraquara provam que o lockdown não funciona.

Por Jakson Miranda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *