Ministros do STF podem reverter decisão de Barroso: Estão com medo!

"Sessão-STF-Aécio-Neves-Foto -Lula-Marques-agência-PT-33" by PT - Partido dos Trabalhadores is licensed under CC BY 2.0

Ministros do STF temem reação e querem reverter decisão de Barroso

Uma ala de ministros do STF, se incomodaram com a decisão de Luís Roberto Barroso de determinar a abertura da CPI da pandemia. Desse modo, esses, relataram surpresa e desconforto com o fato de Barroso ter determinado a instalação da CPI de forma individual.

Esses magistrados esperavam que se levasse o assunto ao plenário do Supremo.

Assim, a avaliação é a de que a decisão possa abrir margem para que o Senado aceite pedidos de impeachment contra ministros do Supremo.

Certamente que temem a chamada CPI da Lava Toga. Ou seja, proposta de investigar o ativismo judicial do STF. Portanto, diante desse cenário, ministros passaram a atuar nos bastidores para reverter a decisão de Barroso, que submeteu a liminar ao plenário virtual da corte. O julgamento começa a partir do dia 16.

Leia também:

Pesquisa para governador de SP: João Doria patina em 8%

Presidente do TSE Roberto Barroso é contra o voto impresso

A CPI da pandemia será boa ou ruim para o governo Bolsonaro?

À CNN, integrantes do STF disseram que, além de ter aberto um flanco para novas criticas ao Supremo, neste momento, uma CPI não contribuirá para o combate à pandemia no país. Os ministros também apontam que a liminar de Barroso servirá para dar base a ataques do presidente Jair Bolsonaro contra a corte, sob o argumento de que o Supremo não o deixa governar.

Ademais, o presidente Jair Bolsonaro acusou Barroso de “militância política” e “politicalha”. Em postagem em suas redes sociais, o presidente afirmou que falta “coragem moral” ao ministro por se omitir de também ordenar a abertura de processos de impeachment contra integrantes do STF. O Supremo reagiu em nota. Com efeito, disse que decisões da corte devem ser questionadas por meio de recurso.

Informação da CNN Brasil

Por Jakson Miranda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *