Nascido do Crime – Trevor Noah

Nascido do crime é um relato bem – humorado sobre a sua infância e vida na África do Sul nos anos finais do Apartheid

Nascido do crime é um relato bem – humorado sobre a sua infância e vida na África do Sul nos anos finais do Apartheid

O livro Nascido do crime não é uma autobiografia de Trevor Noah, um ator-comediante de Stand-up, que atualmente é o apresentador do The Daily Show. Nascido do crime é um relato bem – humorado sobre a sua infância e vida na África do Sul nos anos finais do Apartheid. Com todas as suas dificuldades, violência e preconceito.

Antes de mais nada é preciso que se explique o título deste livro. Trevor Noah é filho de um homem branco com uma mulher negra, isto era crime pela Lei da Imoralidade, 1927: ” 1 -Qualquer europeu do sexo masculino que praticar conjunção carnal ilícita com um nativo do sexo feminino […] será culpado de transgressão e passível de condenação a pena de detenção por um período não superior a cinco anos. 2 – Qualquer nativo do sexo feminino que permitir que um europeu do sexo masculino pratique conjunção carnal ilícita consigo […] será culpado de será culpado de transgressão e passível de condenação a pena de detenção por um período não superior a quatro anos.” – Portanto, Trevor Noah, é fruto de um crime, e na África segregada, pior do que ser negro, era ser mestiço. Cresceu escondido, protegido por sua família e em especial, pela sua amorosa, mas muito severa mãe.

Patricia Noah é uma figura bastante presente na obra. Uma mulher destemida e independente que desafiava as leis do país. Cristã fervorosa, mas uma mulher que teve o seu quinhão de sofrimento com um relacionamento abusivo, quase levado às últimas consequências. Porém, sempre acobertado por uma cultura na qual o homem era o dono de sua mulher e a “educava” com mãos de ferro.

Noah conta as agruras de sua vida de forma leve, engraçada e tirando sarro de todas as situações absurdas que a segregação racial impunha. Conta de sua infância protegida, escondido dentro de casa, sem amigos. O preconceito contido em cada ato não deixava que ele se sentisse à vontade em nenhum grupo social, uma vez que era nem mesmo um “Coloured”, não podia se juntar aos negros e tampouco aos brancos, e, talvez este “não -pertencimento” tenha dado a ele uma noção maior do quão nocivo era o racismo cru que assolava a África do Sul, e foi no Gueto que ele se sentia em casa, onde se via em cada rosto de Soweto (bairro negro e periférico de Johannesburgo), mesmo que as cores não se parecessem ele estava em casa e aprendeu a sobreviver, se defender e a conquistar seu espaço.

Nascido do crime é um excelente livro, promove em nós um misto de reações. A primeira e maior, é a indignação com toda a história do apartheid e a guerra travada entre os negros da África. Noah diz que “a genialidade do apatheid  foi convencer a grande maioria da população de que as pessoas eram inimigas uma das outras”. Não era um movimento contra negros, mas contra tribos negras como Zulu e xhosa,, por exemplo, transformando o país em uma babel racial (e também linguística).

Trevor Noah me conquistou com a sua narrativa divertida, pormenorizando sua história de vida, homenageando a sua mãe e deixando uma lição importante de que não importa quanto a vida é injusta e te joga em caminhos distantes daquele que você planejou, quis ou achou ser o certo, o que vale mesmo é ser honesto com ela, não ter medo de ser diferente porque, no fundo, são as diferenças que nos tornam iguais. Recomendo fortemente a leitura.

Texto publicado no blog Ver-o-Livro

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *