O calcanhar de Aquiles de Jair Messias Bolsonaro

Em sua carreira política, Jair Messias Bolsonaro já foi filiado a oito partidos, indo em 2018 para o nono. Nesse aspecto, enquanto a grande mídia critica o deputado, pondero que as referidas e recorrentes mudanças se dão primordialmente por falta de um escopo ideológico dos partidos políticos brasileiros.

Todavia, admitimos que nesse particular, reside, a meu ver, o ponto frágil do deputado Jair Messias Bolsonaro. Oras, se os partidos políticos brasileiros não primam por sólidas diretrizes que representem os valores da sociedade, por que não criar uma legenda que atenda a essa demanda? Sim, seria mais uma, porém, seria um partido de valores sólidos e autentico.

Em junho passado escrevemos um artigo intitulado Emmanuel Macron envia recado a Bolsonaro. Abaixo, reproduzimos alguns pontos do texto:

Apesar de se apresentar como um outsider e contra o establishment, Donald Trump contou com o apoio logístico, nada mais, nada menos, que do Partido Republicano, além de ser ele próprio um magnata. Observem que a situação de Bolsonaro é diametralmente oposta! Não tem um grande partido que lhe dê suporte e não é um magnata. A não ser por seus filhos, podemos contar nos dedos outros políticos que devam apoiá-lo e trabalhar em suas bases eleitorais em prol de Bolsonaro.

Leia também:

Escreva um artigo sobre o julgamento de Lula e concorra a um livro

O que mais a militância gayzista quer?

Em síntese, é impossível que Jair Bolsonaro saia do PSC e filie-se a um partido maior. Qual? Vou além, é impossível que Bolsonaro saia do PSC e vá para um partido que não esteja envolvido em algum escândalo de corrupção recente. Ou seja, Jair Bolsonaro é um exercito de um homem só.

É nesse contexto que ecoa hipoteticamente, Emmanuel Macron enviando um recado para Bolsonaro.

Diria Macron  a Bolsonaro: “Eu vi o interior do nosso sistema político, que interrompe a maioria das ideias porque elas podem ameaçar a máquina, os partidos tradicionais e os interesses velados”.

O diagnóstico de Macron para o sistema político francês não é diferente do diagnóstico que Donald Trump fez do sistema político americano e não é diferente do que qualquer brasileiro consegue fazer do nosso sistema político. E enquanto Donald Trump contou com o apoio (a contragosto em alguns momentos) do portentoso Partido Republicano, Emmanuel Macron optou por criar seu próprio partido. Não se enganem, goste-se de suas ideias ou não, o atual presidente da França tem plenas condições de mesmo após o fim do seu mandato, continuar a ser um importante líder no tabuleiro político da França e Europa.

Enquanto isso, Bolsonaro vive a migrar de um partido tradicional a outro.

Nesse ponto, o recado não vem de Macron e deixa de ser um recado hipotético. Somos nós que ansiamos por um partido político conservador no Brasil que mandamos um recado para Bolsonaro: Por que ao invés de perambular de um partido a outro o deputado não encabeça a criação de um partido que efetivamente represente a direita?

Encerramos

A falta de um partido politico efetivamente conservador é o principal calcanhar de Aquiles do deputado Jair Messias Bolsonaro. Obrigando-o a recorrer com frequência ao expediente de ter que mudar de legenda, o que não é bom para seu projeto político e menos ainda para o Brasil.

Por Jakson Miranda

3 thoughts on “O calcanhar de Aquiles de Jair Messias Bolsonaro

  1. A luta é grande com o TSE, breve vamos ter a notícia de um novo partido essencialmente de direita que apoiará o Bolsonaro em sua candidatura, não vou divulgar o nome do partido ainda, porque estamos empreendendo uma batalha para que seja homologado este ano o “novo partido”, assim como no voto impresso estamos aguardando a decisão final do TSE. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *