O erro dos socialistas quererem mudar o mundo

Qual o principal erro dos socialistas que querem mudar o mundo? 

Members of the Workers' Party react against people demonstrating against Petrobras and while waiting for former president Luiz Inacio Lula Da Silva appearance, in Rio de Janeiro, Brazil, on February 24, 2015. Last week, Brazil's public prosecutor demanded that firms caught up in the huge kickbacks scandal at oil giant Petrobras pay some $1.5 billion in damages as well as yet-to-be-specified fines. AFP PHOTO/CHRISTOPHE SIMON

Qual o principal erro dos socialistas que querem mudar o mundo? 

Uma das características mais comuns presentes em socialistas é o desejo de mudar o mundo. Isso é inquestionável. Para eles, a atual ordem “capitalista” — que de verdadeiramente capitalista tem muito pouco, é na verdade altamente intervencionista — produz miséria e injustiças; é portanto, imperativo mudar o sistema e implantar um modelo de estado que forneça a tal da “justiça social” coletivista que eles tanto anseiam. Se necessário for, através de uma revolução.

O mais irônico, no entanto, é que isso parte em sua maioria de indivíduos que nunca fizeram absolutamente nada de substancial pelo mundo.  Ou seja, com um nível de contribuição para a comunidade tão relevante quanto a carcaça de um cachorro apodrecendo na sarjeta depois de atropelado, os “guerreiros da justiça social” se acham capazes de mudar o mundo.

Em síntese, nem sequer arrumam as próprias camas e nunca tentaram fazer algo de bom nem mesmo no bairro onde moram.

Esses são os “revolucionários” socialistas desejosos de mudar o mundo, que infestam as universidades, as agremiações partidárias e as manifestações políticas de nosso país. Nunca produziram um penico sequer na vida, nunca leram um livro sobre empreendedorismo, nunca ousaram fazer algo verdadeiramente concreto e relevante; nunca fizeram absolutamente nada de construtivo, mas depois de ler alguma porcaria inútil como o Manifesto do Partido Comunista, se acham sábios o suficiente para mudar o mundo. São tão obtusos que esqueceram até que primeiro, precisam tirar as fraldas, assumir responsabilidades e crescer.

O que falta a esses revolucionários?

Quem tem o mínimo de inteligência e conhecimento sabe das inúmeras desgraças causadas pelos diversos regimes socialistas e comunistas que foram implantados pelo mundo afora. É óbvio que a sociedade deve ser ajustada, melhorada, desenvolvida. É óbvio que mudanças devem ser implementadas para que as condições de vida melhorem para todos, especialmente para os menos favorecidos. No entanto, essas mudanças devem ser paulatinas e graduais, e devem acontecer com o consentimento da sociedade, e não através de agressivas revoluções genocidas, capitaneadas por vagabundos que não querem trabalhar, pois acham mais fácil promover um assalto sistemático contra a parcela produtiva da população.

O grande erro dos socialistas chiques, no entanto, é a descomunal ignorância da qual sofrem. Como não estudam história, realmente não possuem conhecimento algum sobre regimes socialistas, e a vida de desgraças, inanição e crueldade que enfrentam as pessoas que vivem nestes países. Portanto, se estudassem história, também passariam a compreender o padrão que sempre se repetiu, em todas as revoluções socialistas: tomada do poder, expurgos, execuções, detenções arbitrárias, destruição da economia, escassez de alimentos, inanição, genocídio, deslocamento populacional causado por fuga em massa para os países vizinhos. Infelizmente, os poucos militantes que leem, leem porcarias inúteis escritas por psicopatas como Lenin e Marx, ao invés de ler livros de história sobre as ditaduras socialistas.

Finalizando

Assim, cabe a nós, que não sofremos da doença da ignorância e da lavagem cerebral marxista, combatê-la de maneira ferrenha, usando a arma do conhecimento. A história está ao nosso lado. O que não falta, infelizmente, são exemplos factuais de regimes socialistas e comunistas, que foram, todos — sem exceções —, verdadeiras desgraças para as suas respectivas populações.

Bulgária, Camboja, China, Coreia do Norte, Cuba, Etiópia, Hungria, Iugoslávia, Laos, Romênia, Sérvia, Somália, Venezuela, Vietnã, são alguns países que sofreram com o marxismo. Que esta ideologia depravada e maligna ainda esteja sendo amplamente difundida na sociedade, especialmente em nossas universidades, é grave indício de enfermidade mental. Realizada por pessoas que preferem ignorar sistematicamente a realidade, em nome de uma abominação maligna, que foi simplesmente a maior máquina de destruição e carnificina deflagrada neste mundo.

O mal está devidamente identificado. Cabe a nós combatê-lo, atacando a ignorância com conhecimento coeso, pertinente e consistente, que sempre vem abundantemente acompanhado de realidade histórica. Chega de desgraça socialista sendo implantada pelo mundo. Precisamos impedir a todo custo que outros países se tornem a próxima Venezuela.

Por: Wagner Hertzog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *