Tinha optado por ignorar solenemente a visita do papa Francisco a alguns países da América do Sul. Com esta escolha, ignorei solenemente o “presente” que Evo Morales ofereceu ao pontífice.

Que fique claro aos amigos leitores. Não sou católico. Todavia, reconheço a grande importância da Igreja Católica, não apenas na influência que ela ainda exerce entre os chefes de Estado, mas, sobretudo, porque é ela quem dita os rumos morais, não apenas dos católicos, mas também do mundo secular.

Diante da noticia lida hoje na Folha, de que o Papa Francisco, havia criticado o capitalismo em sua fala mais política, não me era mais possível ignorá-lo. Li a reportagem e a exemplo de Reinaldo Azevedo, senti meu estômago embrulhar.

Será que o presente dado por Morales, deixou o papa constrangido? Tive minhas dúvidas na ocasião e elas só aumentaram desde então. Ademais, Bergoglio tratou de retribuir a hospitalidade e generosidade do presidente boliviano. Em discurso onde até membros do MST estavam presentes, o papa Francisco disse o seguinte:

“Reconhecemos que este sistema impôs a lógica dos lucros a qualquer custo, sem pensar na exclusão social ou na destruição da natureza?”.

“Digamos sem medo: queremos uma mudança real, uma mudança de estruturas. Este sistema já não se aguenta, os camponeses, trabalhadores, as comunidades e os povos tampouco o aguentam. Tampouco o aguenta a Terra, a irmã Mãe Terra, como dizia são Francisco”.

Salvação? Arrependimento dos pecados? Volta de Cristo? Buscar uma vida de santidade? Nada disso fez parte do “discurso” do papa. Não tem aí alguma coisa errada? Qual a mensagem moral que a Igreja anuncia quando flerta com doutrinas contrárias ao cristianismo? Qual a mensagem espiritual que a Igreja anuncia quando, em pronunciamento para “movimentos sociais”, não fala da justiça de Cristo?

O papado de Bergoglio, não chega a ser preocupante. Mostra-nos apenas que a igreja católica, sob seu comando, está desprovida de um verdadeiro líder espiritual. A cada nova fala, a cada novo ato, Jorge Bergoglio vem incansavelmente buscando fazer jus a sua primeira fala como papa: Parece que meus irmãos cardeais foram quase buscar (um novo papa) no fim do mundo.”

Que raios de água os cardeais andaram bebendo durante o conclave? Ou terá sido vinho em demasia?

 

Por Jakson Miranda

 

Leia Também:

GREGÓRIO DUVIVIER: O ATEU QUE NÃO CONHECE A BÍBLIA

Radicalismo islâmico: desconhecimento, medo ou complacência?

A Esquerda cristã e seu Jesus Guevara

A tolerância de Boechat: O intolerante

As Idéias de Richard Dawkins em nada contribuem para um mundo melhor

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *