Orçamento secreto: ministro Rogério Marinho responde jornal

Orçamento secreto: ministro Rogério Marinho responde jornal

Imagem é licenciada pelo Palácio do Planalto CC BY 2.0

Após Estadão publicar reportagem sobre suposto orçamento secreto, Rogério Marinho esclarece os fatos

Segundo o jornal o Estado de São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), criou uma estratégia para “controlar” o Congresso. Assim, de acordo com o jornal, em reportagem de ontem (9/05), o Executivo teria criado um orçamento secreto de R$ 3 bilhões. Ou seja, tal montante teria como destino, agraciar deputados e senadores aliados ao governo através de emendas.

Portanto, segundo o Estadão, os acordos para direcionar o dinheiro não são públicos, e a distribuição dos valores não é equânime entre os congressistas, atendendo a critérios eleitorais. Só ganha quem apoia o governo.

E finaliza a matéria da seguinte forma:

Na prática, a origem do novo esquema está no discurso de Bolsonaro de não distribuir cargos, sob o argumento de não lotear o primeiro escalão do governo. De um jeito ou de outro, a moeda de troca se deu por meio da transferência do controle de bilhões de reais do orçamento ao Congresso. Tudo a portas fechadas, longe do olhar dos eleitores“.

Obviamente que após a matéria sobre o tal orçamento secreto, políticos, jornalistas e personalidades da esquerda, passaram a utilizar os termos bolsolao e tratoraço. Enfim, a turma acusa o governo Bolsonaro de corrupção.

Leia também:

PSOL sai em defesa dos criminosos mortos em Jacarezinho

Barroso não quer voto impresso: por que o ministro tem medo?

Em contrapartida, na noite de ontem (9/05), o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, usou as redes sociais para responder o jornal. Escreveu o ministro:

São falsas as informações do Estadão que acusa o governo de ter criado um orçamento secreto. Basta analisar que parlamentares da oposição (PT, PCdoB e PDT) tiveram indicações contempladas. Inclusive o senador Humberto Costa que parece estar com amnésia. Vou lembrá-lo“.

Por fim, o ministro esclareceu.

Não seria diferente, pois os recursos do RP9 são de indicação do parlamento. Isso começou em 2019 e é sabido. O que há é tentativa de construção de uma narrativa. A reportagem teve acesso aos documentos de indicação dos parlamentares da oposição, mas os ignorou. Qual o motivo?

Em resumo, a matéria do Estadão, ao afirmar que no orçamento secreto só ganha quem apoia o governo. Diante da informação do ministro, caiu em descrédito. Em outras palavras, tem tudo para ser mais uma narrativa. Ou, como gostam, fake news!

Por Jakson Miranda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *