Paulistas fartos com quarentena de Doria vão à praia

Paulistas fartos com quarentena de Doria vão à praia

João Doria, governador de SP, renovou a quarentena, porém, os paulistas já estão fartos e resolveram ir à praia

João Doria já anunciou que a quarentena no estado de São Paulo seguirá até que se tenha uma vacina. No entanto, a grande maioria dos paulistas já estão fartos disso tudo.

O governador de São Paulo, João Doria, decretou em 21 de março a primeira quarentena no estado a fim de conter a transmissão da covid-19. Inicialmente, as restrições estariam vigorando por um prazo de 15 dias, todavia, foi-se renovando ininterruptamente e cá estamos nós no 11° período de quarentena. De modo geral, argumentou-se que a quarentena era importante para que os hospitais fossem devidamente equipados. De fato, foram comprados respiradores, hospitais de campanha foram abertos e fechados e no entanto, continuamos em quarentena; pior, algumas autoridades públicas em sintonia com os grandes jornais, fazem diariamente apelos (quase emotivos) para que respeitemos as “regras” de isolamento social. Qual é a “ciência” por trás disso tudo?

Enfim, o povo cansou! Talvez, a grande maioria chegou a conclusão que tudo isso não passa de um grande engodo. Os que não chegaram a esse ponto, suspeitam.

Nesse contexto, com a proximidade do feriado de 7 de setembro, o governador João Doria, em coletiva de imprensa, não apenas criticou as aglomerações em praias. Cobrou que as prefeituras impusessem medidas restritivas.

Em outra ocasião, apelou para que os paulistas não façam aglomerações.

Você que está nos assistindo, nos ouvindo ou nos lendo, por favor, tenha cuidado. Não faça aglomerações em parte alguma, nem na praia, nem no calçadão, nem na montanha, nem na praça, nem no parque. Aglomerações colocam em risco a sua vida, sua saúde e ade outras pessoas.

Conclusão

João Doria foi ignorado. Os paulistas foram à praia!

Cadeiras e guarda-sóis eram retirados por um segundo, mas logo voltavam aos seus pontos de origem. Partidas de futebol ou futevôlei também eram interrompidas momentaneamente – para recomeçarem assim que a fiscalização tivesse ido embora.

Um dos salva-vidas da Praia do Guaiúba também relatou o quanto sua função tem sido ingrata. “O esporte no mar está liberado, mas o banho de mar ainda não. Não tenho autoridade, não posso tirar as pessoas da água. Eu apelo para a consciência delas, mas é muito difícil”.

Fiscais, salva-vidas e moradores do litoral estão esperando ainda mais incompreensão e desobediência para esse final de semana, o do feriado de 7 de setembro. “Vai ser bruto, uma loucura. Estamos chamando a faixa de areia de faixa de Gaza”, disse uma fiscal da Prefeitura de Guarujá.

Tudo o que vai acima significa que os paulistas chegaram ao limite e estão fartos. Estão tão fartos do governador João Doria com sua infinita quarentena, quanto do coronavírus. Enfim, as pessoas querem não apenas viver. Querem a liberdade de aproveitar a vida. Live and let die!

Por Jakson Miranda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *