Paulo Guedes: “Por que os leitos foram desativados”?

Goldman Sachs projeta PIB do Brasil de 4,6% para 5,5% em 2021

"06/05/2019 Reunião com o Ministro da Economia, Paulo Guedes" by Palácio do Planalto is licensed under CC BY 2.0

Ministro da Economia Paulo Guedes questiona leitos desativados “O dinheiro foi para os estados”. 

O ministro da Economia Paulo Guedes, concedeu entrevista à CNN Brasil e não poupou criticas e questionamentos. Na oportunidade, Paulo Guedes lembrou que o dinheiro foi para os estados, logo, o ministro não entende porque os leitos foram desativados.  “O dinheiro foi para os estados. Então, por que os leitos foram desativados”?

Na entrevista, o ministro também critica a demora na compra das vacinas. Assim, para Guedes, o ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta falhou na condução desta questão:

No primeiro dia, (Luiz Henrique) Mandetta (ex-ministro da Saúde) saiu com R$ 5 bilhões no bolso. É desde aquela época que deveríamos estar comprando vacina, não é mesmo? O dinheiro estava lá”.

E alfineta os governadores,

Era possível ter sido mais rápido? Sim. Era possível que a mídia fosse mais construtiva? Era possível que os governadores ajudassem também? O dinheiro foi para os estados. Então, por que os leitos foram desativados? Pois todos nós achávamos que a pandemia estava indo embora.”

Portanto, Paulo Guedes segue na mesma linha da PGR que ontem cobrou de todos os estados informações sobre os hospitais de campanha.

A subprocuradora quer que os governadores listem ainda os hospitais de campanha que atualmente estão em funcionamento em seus Estados e, em relação aos que foram eventualmente desativados, informem a data da desativação e o motivo do fechamento.

A PGR também quer saber a destinação dada aos insumos e equipamentos que faziam parte da estrutura de eventuais hospitais de campanha que tenham sido desativados nos estados.

Em conclusão, tudo indica que chegou o momento dos governadores prestarem contas à justiça e à sociedade.

Por Jakson Miranda

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *