Pontaria do PSDB deve está bem ajustada caso Alckmin seja candidato a presidente em 2018

Ontem, o PSDB de São Paulo realizou eleição da sua nova cúpula. O Dep. Estadual Pedro Tobias foi eleito o presidente estadual da sigla. Em seu discurso, Tobias foi enfático em defender que Geraldo Alckmin saia candidato a presidente em 2018.

Eis o jogo político brasileiro. Em meio a crises e tantos outros problemas que o país tem pela frente, já se começam as articulações para algo que irá ocorrer daqui a quatro anos. Não faço nenhuma objeção à candidatura Alckmin, senão, a que já apresentei em um texto no meu antigo blog. Escrevi o texto no dia em que a Folha publicou uma entrevista com o senador Aécio Neves, em 22 de dezembro do ano passado.

Leiam um trecho:

Mas o sr. pensa em ser candidato novamente?

Não mesmo. Talvez já tenha cumprido o meu papel. O candidato vai ser aquele que tiver as melhores condições de enfrentar o governo. Meu papel é manter a oposição forte. O governador de São Paulo [Geraldo Alckmin] é um nome colocado e tem todas as condições. Outros nomes serão lembrados. Seria um erro antecipar este processo.

É mais do que obvio que é extremamente cedo para se falar nas eleições de 2018. Teremos o pleito municipal em 2016 onde a oposição deve trabalhar intensamente para pavimentar o caminho para a presidência, ou seja, quanto mais prefeituras forem conquistadas, maior serão as chances de tirar o PT do poder em 2018. 

Não obstante, será um erro de Aécio e do PSDB se ele não for o candidato em 2018. O PSDB estará repetindo o erro de eleições passadas. É bom lembrar, Lula somente foi eleito, após disputar quatro eleições consecutivas. 

Assim, caso Geraldo Alckmin saia candidato, o PSDB não ganhará a presidência e ainda correrá sério risco de perder o governo de São Paulo, a exemplo do que aconteceu em Minas. 

Voltamos

A esse texto, escrito há alguns meses atrás, faço apenas uma ponderação ao ultimo parágrafo. Uma vitória ou derrota de Alckmin estará condicionada as forças que ele terá que enfrentar. No tabuleiro político, se avistam muitas possibilidades e nada é certo até que as chapas e coligações sejam definidas.

É obvio que Alckmin tem capacidade de ser um bom presidente e tem totais condições de vencer o pleito. É obvio que terá meu voto. Mas, em caso de uma vitória do hoje governador de São Paulo, quais serão os possíveis preços a se pagar por sua ambição política?

O preço a que me refiro é sim, o exemplo visto em  Minas Gerais. Não é segredo para ninguém que os petistas ambicionam chegar ao Palácio dos Bandeirantes e em 2018 ainda terão a máquina federal para jogar pesado; é errado, mas eles não estarão nem aí. Por outro lado, é bom os tucanos terem em mente que Marta Suplicy pode ser a grande aliada de Lula em São Paulo, se hoje o PSB é coligado ao PSDB no Estado, amanhã pode ser que venha a romper com a aliança. Geraldo pode ser eleito presidente e São Paulo cair no colo dos adversários, o que seria extremamente ruim para os tucanos e pior ainda para os paulistas.

Considerações finais

Qual a melhor estratégia? A melhor estratégia que os tucanos podem traçar é pensarem em um projeto de país antes de pensarem nesse ou naquele político, na ascensão desse ou daquele diretório. Disputas entre Minas e São Paulo entre os tucanos em nada acrescentará à sociedade brasileira.

Geraldo Alckmin ainda é jovem e pode abrir mão da presidência e concorrer ao senado, fortalecendo seu partido dentro do Parlamento e de quebra, estando próximo ao eleitorado do seu Estado. Essa foi a trajetória do próprio Aécio.

Para a presidência, Aécio Neves deverá ter mais uma chance e desta vez, seria prudente escolher para vice algum político do nordeste.

O tempo dirá qual projeto o PSDB escolherá. Se um projeto para o país, ou um projeto bairrista.

Por Jakson Miranda

 

 

Leia Também:

Notinha rápida: A volta da CPMF e o nonsense Ministério da Saúde

Para José Dirceu, Lula e Dilma estão no mesmo saco que ele. Qual saco?

Que desgraça é ler um jornal hoje em dia!

Nossa proposta de Reforma Política

Lula: Entre o medo e a covardia

 

 

1 thought on “Pontaria do PSDB deve está bem ajustada caso Alckmin seja candidato a presidente em 2018

  1. Geraldo Alckmin, sem dúvida, é um dos políticos mais experientes e de maior destaque do país. Dirige o principal Estado da nação pela quarta vez. Foi reeleito no primeiro turno com uma votação muito expressiva. Perdeu em apenas um município dos 645. Foi também vereador, prefeito, Deputado Estadual e Federal. Sua trajetória o credencia a disputar qualquer cargo. Se Alckmin for o candidato PSDB em 2018 terá meu apoio e meu voto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *