Por que Mandetta não pede demissão?

Antes da pandemia do vírus chinês, ninguém apontaria Luiz Henrique Mandetta como um bom ministro, ao contrário.

Por outro lado, nomes como Paulo Guedes, Sergio Moro, Damares, Ricardo Salles, Weintraub e Ernesto Araújo, compõem o quadro de ministros que todo eleitor do presidente Bolsonaro consegue reconhecer competência em suas respectivas pastas. Nessa mesma linha, foram esses ministros que mais sofreram com os ataques da imprensa.

Nunca foi o caso de Henrique Mandetta que durante todo esse tempo, passou incólume de pesadas criticas. E para surpresa de ninguém, tornou-se o queridinho da imprensa no combate à pandemia.

Leia também:

A quarentena e a hipocrisia de um jornalista da Globo News

Como será o mundo depois do coronavírus?

 

Oras, desde que ganhou o status de “sensato” e “responsável”, o ministro da Saúde não titubeou em se deixar apresentar como um “antagonista” do presidente. Como assim? Mesmo que as divergências quanto ao combate ao coronavírus existam entre o ministro e o presidente, não cabe ao subordinado alimentá-las perante a imprensa, se isso foi feito, se deu porque o Mandetta viu no “embate” uma escada política.

Ao contrariar publicamente a orientação mais premente de seu ministro da Saúde, o presidente abriu uma vala de distanciamento com Mandetta e colocou-o entre a cruz e a espada. Se ficasse no governo, estaria sujeito a um chefe que o diminuía diariamente. Se saísse, deixaria a pasta à mercê da ala mais radical do bolsonarismo, que enxerga na paralisação provocada pela pandemia um obstáculo à reeleição do presidente em 2022.

Como se pode notar no trecho que destacamos em vermelho, a grande mídia retrata o ministro como um homem preocupado com a “pasta”, ou seja, com a Saúde. É mesmo um iluminado. Longe disso!

Agora, diante de inconciliáveis divergências entre o ministro da Saúde e seu chefe, caberia ao primeiro, caso tivesse “culhões”, pedir demissão. Logo, o motivo que leva Henrique Mandetta a evitar esse passo não é sua preocupação com a pasta, mas sim porque o senhor Luiz Henrique Mandetta não passa de um político. Ou seja, enquanto estiver no comando da pasta “desafiando” o presidente, Mandetta tem os holofotes da mídia e assim, gabaritar seu nome para as futuras eleições.  

Portanto, engana-se aqueles que afirmam que o presidente Bolsonaro politizou o coronavírus. Quem seguiu por esse caminho foi a grande imprensa e o ministro da Saúde. Aquela, com a clara intenção de destruir o atual governo, este, pensando unicamente em si e no seu “grupo político”. Podemos dizer assim, que Mandetta é um covarde e um egoísta. Covarde em não pedir demissão e egoísta em usar do seu cargo para  fazer “carreira”, balizando medidas contra o coronavírus que a cada dia se mostram ineficazes. 

Por Jakson Miranda

1 thought on “Por que Mandetta não pede demissão?

  1. Jackson, primeiro é necessário dividir a direita da direita bolsonarista. É obvio para qualquer mente sensata que o governo comete erros na gestão. E a crise entre Mandetta e Bolsonaro, surgiu sim dos desvios que o presidente criou frente as recomendações do ministro.

    Fato é que diante desta diferença de pensamento, Bolsonaro deveria ter demitido ele no ato. Porém recuou, e preferiu ficar por meio de atitudes e posts desautoriar o ministro. Ora, somos todos humanos quando se entra num embate destes é natural chegar num momento em que se comece a um desautorizar um ao outro. Mandetta não se demitiu porque não viu motivo pra isso. E depois viu nisso uma forma de confrontar a atitude infantil do presidente, obrigando ele a agir e demitir…mas isso ate aqui não aconteceu. Isso não faz deles vilões.

    Sejamos sensatos, se Bolsonaro o demitisse assim que viu que seus pontos de vista eram divergentes, essa crise jamais teria acontecido. Já teria outro ministro tomando outras atitudes. Que poderiam ser melhores ou piores, mas aí já é outro assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *