Procurado pela justiça usa faixa ‘Bolsonaro genocida’

Militante petista Rodrigo Pilha era um procurado da justiça

Militante petista Rodrigo Pilha era um procurado da justiça. Havia um mandado de prisão em aberto por desacato

Certamente você deve ter lido no noticiário a respeito do militante petista Rodrigo Pilha, preso por exibir uma faixa com a frase “Bolsonaro genocida”, nesta quinta-feira (18), na Praça dos Três Poderes. No entanto, o que você não deve saber é que ele era um procurado da justiça. O mesmo tinha um mandado de prisão em aberto.

Pois bem, detido com base na Lei de Segurança Nacional, por usar uma faixa “Bolsonaro genocida“, o petista Rodrigo Pilha contou com a bondade do delegado. Este, rejeitou a acusação. Só que, na delegacia, descobriu-se que o militante era um procurado da justiça. Uma vez que Pilha, de réu passou a culpado por desacato em  processo de 2014. Sua pena fixada, à época, a sete meses de prisão.

Leia também:

Bolsonaro deve decretar Estado de sítio?

O plano de José Dirceu para mandar no Brasil

Live de Bolsonaro tem anúncio de ação no STF

Obviamente que os petistas estão reclamando da prisão. O deputado federal Alencar Santana (PT-SP), que acompanha o caso, afirma que “Pilha foi colocado no regime fechado, sendo que a condenação seria para o semiaberto”.

Ele sai deu uma entrevista e, de repente, o delegado liga e fala: ‘Olha, pode voltar aqui’ – Destacou o parlamentar petista.

Por certo que o petista carece de inteligência. Se na época da condenação tivesse se apresentado à justiça, ou recorrido da sentença, certamente estaria livre. Todavia, optou por fugir da “justiça burguesa“. Desse modo, irá conhecer o interior da prisão.

Por Jakson Miranda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *