Professora agredida por aluno aplaudiu agressão contra Bolsonaro

Pesquisa da XP aponta melhora na aprovação de Jair Bolsonaro

Lamentavelmente uma professora foi agredida por um aluno de 15 anos. Como também sou professor e conheço de perto as agruras da profissão, que vão da agressão física às constantes e rotineiras agressões verbais, me solidarizo com a dor que a senhora Marcia Friggi está sentindo.

Na verdade, o texto que eu havia imaginado era bem diferente deste. O título passaria longe do que vai acima. Fui obrigado a alterar radicalmente o roteiro do meu texto ao saber que a referida professora aplaudiu a agressão de que foi vítima o deputado federal Jair Bolsonaro.

Por outro lado, eu poderia reforçar a ideia de que a professora agredida sentiu na pele o que é ser agredido. Mas não é por esse caminho que vou seguir.

Leia também:

Discurso de Ana Julia é elogiado pela revista Veja que também elogiou as ocupações de escolas

Sou professor e apoio o projeto Escola sem Partido

Valho-me do caso, para mais uma vez, denunciar o quanto a classe docente sofre de uma severa lavagem cerebral.

A professora agredida certamente está nesse momento clamando por justiça e dificilmente alcançará, visto que, seu agressor é um menor de quinze anos.

Marcia Friggi em suas redes sociais, achou positivo o fato de Jair Bolsonaro ter sido alvo de uma agressão infinitamente mais branda do que a sofrida por ela. Ambos os casos são repugnantes.

Na entrevista abaixo, no entanto, fica claro que a professora Marcia tenta justificar a agressão sofrida por Bolsonaro a quem ela chama de neonazista.

Digo tudo isso porque chega a ser de uma graça deprimente constatar, como já disse, a lavagem cerebral dos meus colegas de profissão, que não se dão conta da esquizofrenia em que estão mergulhados.

Oras, fica-nos fácil concluir que a professora agredida tem verdadeira repulsa a um dos poucos políticos no Brasil que apoiam a redução da maioridade penal. De outra forma, Marcia Friggi dá indícios de ser mais uma entusiasta daqueles que querem que o ECA permaneça como está.

Jair Bolsonaro diria que o moleque que a agrediu mereceria cadeia. Maria do Rosário, que o menor não passa de uma vítima da sociedade opressora.

A professora Marcia prefere a segunda opção. E mesmo dilacerada e agredida, não mudará de opinião e enquanto a opinião da classe docente não mudar, seremos alvos de socos, pontapés e xingamentos. São os rebentos da revolução pondo na prática aquilo que leem nas redes sociais e escutam nas salas de aula.

Do que reclamas? Viva a revolução!

Por Jakson Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *