Quem apoia a greve dos entregadores de aplicativo?

amanhã não terá greve dos entregadores de app

Hoje é dia de greve dos entregadores de aplicativo. E tal situação prova o quanto estamos vivendo um momento surreal já que esses trabalhadores são autônomos, logo, entrarem em “greve” é algo totalmente sem sentido. Seria o mesmo que um pedreiro entrar em greve e não aceitar nenhuma proposta para rebocar uma parede ou colocar piso.

Mas, eis uma questão importante sobre isso: Quem apoia a greve dos entregadores de aplicativo?

No site do senado federal, encontramos a noticia de que senadores apoiam a greve e apresentam projetos pró-reivindicação. E para surpresa de ninguém, é o senador Jacques Wagner do PT um dos defensores da greve.

Cremos que a apreciação dessa matéria é urgente. Muitos motoristas, ciclistas e motociclistas estão se sentindo na condição de explorados. Está prevista uma greve nacional no dia 1º de Julho. Precisamos estar atentos a esses fenômenos de vazio legal e, mediante intensas negociações, evitar que esses trabalhadores continuem fragilizados durante a pandemia”.

Outro entusiasta é o senador Paulo Paim, também do PT.

Entregadores de aplicativos enfrentam condições precárias de trabalho, uma verdadeira escravidão moderna. Baixa remuneração, carga horária exaustiva e sistema de pontuação perverso. Meu total apoio à paralisação”.

A lista não se encerra nesses dois. Boulos já deixou seu recado de apoio e a CUT já manifestou seu irrestrito apoio.

Ou seja, a greve dos entregadores de aplicativo diz muito se analisarmos o perfil dos seus apoiadores. Em outras palavras, colocar em prática aquilo que a CUT, Boulos e o PT defendem para a economia e por extensão para os trabalhadores, autônomos ou não, só traria como resultado serviços mais caros, ineficiência e desemprego.

Como bem frisou nosso colunista Wagner em seu artigo Para o Brasil prosperar, é necessário reduzir o estado:

Ninguém investe dinheiro para perder. Entre abrir uma empresa em um país estatista-desenvolvimentista como o Brasil, com excessivas regulações e burocracia, ou abrir o seu negócio em um país onde existe liberdade econômica, como Chile, Paraguai, Suíça ou Nova Zelândia, qualquer empresário escolherá estes últimos.  

Enfim, amanhã não terá greve dos entregadores de app. E enquanto aqueles que resolveram trabalhar hoje terão “ganho o dia”, os grevistas terão que correr atrás do prejuízo, mas, o lamento não será maior se um dia vivenciarem os efeitos de suas reivindicações feitas hoje.

Por Jakson Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *