Um exemplo clássico de analfabeto funcional

O Brasil é uma verdadeira fábrica, funcionando a todo vapor, de um tipico ser: O analfabeto funcional, que atua como douto comentarista daquilo que leu e nada entendeu.

A nova edição de revista Veja, traz nas páginas amarelas dessa semana, uma entrevista com Wemerson da Silva Nogueira, professor de biologia da rede publica de ensino do Espírito  Santo.

Um professor da rede pública de ensino ser entrevistado por uma das principais revistas do país já é um grande feito. Mas esse não é o principal feito do professor, que leciona para alunos dos Ensinos Fundamental e Médio. Após ganhar o prêmio Educador nota 10, Wemerson chegou à final do Global Teacher Prize, prêmio de melhor professor do mundo.

Caso houvesse ganhado o prêmio, infelizmente não ganhou, o professor capixaba poderia se tornar objeto de estudo de especialistas de diferentes áreas do conhecimento. Teses e artigos seriam escritos sobre sua façanha. Um enigma a ser entendido, afinal, como é possível um país como o Brasil, cuja educação é de péssima qualidade, ter o melhor professor do mundo?

Nessa seara, nosso país atravessa um tenebroso ciclo vicioso: As faculdades de pedagogia enfiam Paulo Freire goela abaixo dos futuros professores e esses, vomitam as ideias construtivistas em sala de aula. Resultado: anualmente, centenas de milhares de alunos terminam o Ensino Médio sem saberem desenhar um “O” com um copo. São os conhecidíssimos analfabetos funcionais.

Muitos desses analfabetos funcionais, comprovando o grande nível do nosso ensino superior, matriculam-se em faculdades de diferentes campos e o tenebroso ciclo continua. Outros estão por aí, palpitando sobre tudo e passando atestado de burrice.

Após o termino da leitura da entrevista, fui passando as páginas da revista e por um pouco, nutri certa esperança de dias melhores na educação. Foi quando me deparei com o espaço que a revista abre à comentários feito por leitores à edição anterior.

Que decepção!

Ao comentar outra entrevista, da semana anterior, dada pelo xeque xiita Rodrigo Jalloul, brasileiro e uma autoridade islâmica, um leitor da revista fez o seguinte comentário:

Para muitos brasileiros, islã é Estado Islâmico; é muito errado. Na Idade Média, os “bons” católicos organizaram as Cruzadas, cuja finalidade era matar os que tinham aderido à pregação de Maomé. Hoje, o Estado Islâmico dá o “troco”, um pouco tardio, ao que nós fizemos há muito tempo”.

É ou não é um exemplo clássico de analfabetismo funcional? É ou não é um exemplo clássico de burrice? De babaquice!

Não citarei o nome do douto que desenrolou palavra após palavra, um novelo monumental de ignorância. Se tal argumento viesse de um aluno adolescente do 7° ano que sabidamente houvesse faltado à aula de história sobre as Cruzadas, seria até compreensivo.

Mas a perplexidade é que não se trata de um aluno adolescente do 7°, mas provavelmente de um adulto. Possivelmente formado e que certamente dispõe de meios para ler algo a respeito e suprir essa vergonhosa defasagem escolar, ou seria um caso de doutrinação asno-marxista?

Causa-nos ainda mais perplexidade, Veja dá espaço a esse tipo de asnice justamente, depois da entrevista de um professor!

Será que a revista endossa o comentário do “leitor”? Não há filtros para barrar comentários vigaristas?

É isso, meus amigos! Outra consequência do nosso quadro educacional são os analfabetos funcionais atuando em profícua união com os vigaristas intelectuais.

Nesse caso, a tarefa mais difícil é diferenciar um analfabeto de um vigarista. Se bem que, cabe ao tempo tal trabalho. Com o tempo, um analfabeto funcional pode reverter sua situação. Já vigaristas, serão irremediavelmente vigaristas. E continuarão distorcendo os fatos e a História. Até passarem pelo vexame de serem desmascarados publicamente.

Por Jakson Miranda

3 thoughts on “Um exemplo clássico de analfabeto funcional

  1. Na verdade esse aí não faltou às aulas, mas foi um bom aluno. Cursei a 7ª série em 1993 e o livro de “História” que utilizei já era uma cartilha de doutrinação esquerdista com mentiras grotescas sobre Cruzadas e Inquisição. Na 8ª não foi diferente, chamando o socialismo marxista de “luz para os trabalhadores” e mais mentiras, dessa vez dizendo que o nazismo era completamente oposto ao comunismo (!) e trecho de discurso de Fidel Castro.

  2. A culpa pelo analfabetismo funcional no Brasil é de Paulo Freire????
    Lendo seu texto, percebo claramente que o analfabeto aqui é você, e da pior qualidade: ANALFABETO POLÍTICO!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *